terça-feira, 28 de julho de 2009

Porto Seguro lança plano de consórcio auto com menor prazo do mercado

Caros Amigos,

Eu vou fazer uma série de reportagens sobre consórcio, tanto de veículo, como de imóvel e até odontológico, com o objetivo de orientar voce na compra de um consórcio.


Abaixo está a reportagem da novidade de mercado, vale a pena conferir.


Plano Flex Automóvel possibilita ao consorciado complementar crédito, trocar ou comprar veículos novos e seminovos, em prazo de até 48 meses.


Para facilitar a aquisição de carros novos ou seminovos, a Porto Seguro Consórcio (www.portoseguro.com.br) lançou o Plano Flex Automóvel, com prazo de quitação em até 48 meses.


O Plano Flex Automóvel disponibiliza créditos de R$ 15 mil a R$ 30 mil para grupos com até 192 participantes. As parcelas mensais partem de R$ 359,41, com taxa de administração de 10%.


"Lançamos o plano baseado na constatação que muitas pessoas que querem trocar seu veículo por um novo ou seminovo não precisam de grandes quantias para efetuar a compra e não querem aguardar um prazo muito longo" diz Fábio Braga, gerente do Porto Seguro Consórcio.



Como comparação, optando por um plano de consórcio auto tradicional, o cliente tem um prazo de quitação de até 80 meses, com créditos que variam de R$ 25 mil a R$ 50 mil, em grupos formados com até 320 participantes e taxa de administração de 13%. "Assim, com o Plano Flex, o mercado ganha uma nova opção de consórcio, que permite ao cliente um planejamento de curto e médio prazo", conclui.


O Plano Flex pode ser contratado para a compra de veículos com até três anos de fabricação, incluindo o ano vigente. Em cada grupo é contemplado mensalmente um consorciado por sorteio e, em média, três por lance.Porto Seguro ConsórcioA Porto Seguro atua no mercado de consórcios com os produtos Imóveis, Automóveis e Odontológico, facilitando o acesso dos consorciados ao crédito por meio de alternativas diversas de parcelas, prazos longos e facilidades exclusivas.


A Companhia lançou o primeiro Consórcio Odontológico do país, para facilitar a modernização ou a montagem de consultórios. O Porto Seguro Consórcio Odontológico possibilita esse investimento com parcelas mensais entre R$ 295,10 a R$ 688, 56, já com o seguro de vida. Os créditos variam entre R$ 15 mil e R$ 35 mil, parcelados em até cinco anos.Já o Porto Seguro Consórcio Imóveis oferece créditos entre R$ 50 mil e R$ 200 mil, com prazo de até 180 meses.


As mensalidades são atualizadas uma vez por ano pelo INCC-FGV (Índice Nacional da Construção Civil - Fundação Getúlio Vargas). Em cada grupo é contemplado mensalmente um consorciado por sorteio e, em média, dois por lance. O consórcio imobiliário também pode ser utilizado para a aquisição de casas na praia, no campo ou imóveis comerciais - novos ou usados - e ainda para reformar ou construir.


Já o Consórcio Auto da Porto Seguro facilita a aquisição de veículos de vários modelos e marcas, inclusive motos, em planos de até 80 meses sem juros e com garantia de pontualidade na entrega das cotas contempladas.


Ainda não enviaram para os corretores a nova tabela, mas prometo que assim que tiver eu publico para voces.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Antifurto obrigatório fica para 2010


Na minha opinião existem dois aspectos importantes, quanto mais seguro for o veiculo, quanto mais dificil for o furto, menor o indice de sinistro e consequencia temos um seguro mais barato.

Em contra partida temos as seguradoras instalando rastreadores para saber o verdadeiro risco do cliente monitorando-o na vigencia do seguro, o futuro será esse, voce pagará o seguro de acordo com o seu uso, pode ser muito bom para alguns e ruim para outros, mas estamos encaminhando para este tipo de seguro de veiculo.


Abaixo está a reportagem do valor economico, onde teremos o antifurto obrigatorio.


Os fabricantes de veículos, motocicletas e de componentes chegaram a um consenso a respeito do prazo de implementação do sistema antifurto, que terá de equipar a frota nacional, conforme a Resolução nº 245 do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).
As novas regras devem ser publicadas no Diário Oficial da União entre hoje e sexta-feira, já com nova configuração depois que a Justiça Federal determinou, por meio de liminar, que os equipamentos não podem rastrear o veículo, apenas bloqueá-lo. A publicação também vai estabelecer o início dos testes do sistema a partir de agosto em uma frota que pode chegar a mil veículos.
Segundo Antônio Sérgio Calmon da Costa, coordenador-geral de planejamento do Denatran, a instalação do antifurto vai começar em fevereiro em 20% da frota que sair de fábrica, com a previsão de que em outubro chegue a 100% dos veículos nacionais ou importados zero quilômetro, com exceção de motocicletas, implementos rodoviários e caminhões tratores. É a terceira alteração de prazo desde que a resolução foi publicada, em julho de 2007.
Inicialmente, em agosto deste ano todos os veículos deveriam sair de fábrica com o dispositivo. Depois, a pedido da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), ficou decidido que em agosto seriam equipados 20% dos veículos, sendo o percentual elevado gradualmente até chegar a 100% da frota, em agosto de 2010. A última postergação aconteceu para evitar panes no sistema.
"A ideia de realizar uma operação assistida partiu do Denatran, já que os setores envolvidos no projeto não tinham se acertado para testar o sistema", afirmou Calmon. Além dos consumidores, participam do teste os fornecedores dos chips de telecomunicação, operadoras de telefonia, prestadores de serviçode informações veiculares, bancos e seguradoras, fabricantes de componentes, de veículos e o órgão do governo federal.
O acordo para que houvesse um período de experimentação foi fechado em junho. A publicação da revisão das resoluções do Denatran, noentanto, não aconteceu.Para Calmon, o motivo principal para a demora era a falta de consenso entre a Anfavea, Abraciclo (entidade que representa os fabricantes de motocicletas) e o Sindipeças, que reúne a indústria de componentes.
A questão central era a quantidade de carros que sairia com o dispositivo de fábrica a partir de fevereiro.
Do lado das montadoras, quanto maior o prazo melhor a adaptação das linhas de montagem. Já para os fabricantes de componentes, que estimam investimentos superiores a R$ 100 milhões para atender a demanda, o problema é a ociosidade das linhas de produção, que foram programadas para atender 100% da frota a partir do mês que vem.
Flávio Henrique Sakai, representante do Sindipeças, estima que a perda de volume de produção vai chegar a 70% por conta da postergação dos prazos. A expectativa da entidade era de conseguir que 40% da frota saísse com o dispositivo já em fevereiro, algo que não ocorreu.
Atualmente, cerca de 1,5 milhão de veículos contam com dispositivos de bloqueio e rastreamento no país. Quando a regra estiver valendo para 100% da frota zero, o volume automaticamente será multiplicado por dois no prazo de um ano, o que dá uma dimensão da expectativa dos setoresenvolvidos no projeto. Segundo os dados da Fenseg (Federação Nacional das Seguradoras) apresentados ontem no Congresso ExpoGPS, em São Paulo, cerca de 400 mil veículos são furtados ou roubados por ano no país.
O pedido de anulação da resolução 245 e das portarias nº 47 e 102 pelo MPF de São Paulo ocorreu por conta de o rastreamento do veículo, supostamente, ferir a privacidade dos consumidores, além de institucionalizar a venda casada de dois equipamentos de segurança. O Denatran ainda tenta derrubar a liminar concedida pela Justiça Federal de São Paulo em abril.

terça-feira, 21 de julho de 2009

Locação de Imóveis: Quem deve pagar o quê?


Hoje atendi um cliente com a seguinte dúvida: "O que eu tenho que pagar e o que o Locador tem que pagar?", principalmente em relação ao Seguro de Incendio e Seguro Fiança Locatícia isto gera muita duvida.


Abaixo segue uma reportagem onde explica os deveres de cada um.


Confira as responsabilidades de Inquilinos e proprietários segundo a Legislação:


Despesas ordinárias (atribuição do inquilino) - Salários, encargos, água, esgoto, gás e luz nas áreas de uso comum, contribuições à Previdência Social, manutenção e conservação de equipamentos hidráulicos, elétricos, mecânicos e de segurança de uso comum (bombas, porteiro eletrônico, elevadores, antenas coletivas), limpeza e conservação de instalações e dependências de uso comum (inclusive pintura), rateios de saldo devedor (salvo se anteriores ao período da locação) e reposição parcial ou total do fundo de reserva, caso tenha sido utilizado para o custeio ou complementação de gastos ordinários.


Despesas extraordinárias (atribuição do proprietário) - Obras de reforma ou acréscimo que interessem à estrutura integral do prédio, pinturas de fachadas, esquadrias externas, poços de aeração e iluminação, obras destinadas a repor as condições de habitação do edifício, indenizações trabalhistas e previdenciárias pela dispensa de empregados ocorrida em data anterior ao início da locação, instalação de equipamentos de segurança, combate a incêndio, telefonia, intercomunicação, esporte e lazer, constituição do fundo de reserva e obras de decoração ou paisagismo nas partes de uso comum do condomínio.

Seguro de carro sobe até 40% em São Paulo.


Em todas as renovações de seguro o valor do seguro aumenta e o cliente reclama, "não usei o seguro e ele está mais caro?" é isso que está acontecendo e temos uma materia abaixo feita pelo Jornal Agora, veja abaixo.


DO "AGORA"
O preço dos seguros de carros novos e usados está até 40% mais alto neste mês do que em junho em São Paulo, segundo o diretor do Sincor-SP (sindicato dos corretores de seguros do Estado), Orlando Filipe de Gouveia. Ante o mesmo período de 2008, a alta chegou a 30%.
O reajuste, que variou de 10% a 40%, pesou mais para os proprietários de veículos antigos. Um dos que tiveram a maior alta foi o Uno Mille 2003.
Já para os carros zero, o aumento médio do seguro foi de 15% entre julho de 2008 e julho deste ano.
Os reajustes podem chegar para os novos clientes e para quem renova o contrato.
Segundo o Sincor-SP, o gasto com o conserto de carros novos (em caso de batida) é menor.
Um dos motivos que explicam a alta é a queda da Selic. Para Gouveia, as seguradoras aplicam o dinheiro em operações que variam segundo os juros. Com a taxa menor, elas tiveram lucros menores.
O diretor técnico de automóveis da Associação Paulista de Corretores de Seguros, Miguel Ângelo Fiori, diz que julho é o mês em que o mercado de seguros costuma remarcar os preços. "De uma forma geral, os seguros sofreram reajuste desde 1º deste mês, mas não há influência direta da taxa de juros."
Os preços podem aumentar mais se a Selic, hoje em 9,25% ao ano, for reduzida novamente amanhã, na reunião do Copom - a expectativa é que ocorra o último corte da taxa neste ano, que deve passar para 8,75%.
Para o diretor da Porto Seguro, Marcelo Sebastião, se a Selic cair de novo, os preços podem ser reajustados.
Peças
Outro fator que contribuiu para a elevação dos preços foi a falta de peças de reposição para os carros, segundo o Sincor-SP. "Os fabricantes não estão repondo as peças."
Segundo a Susep (Superintendência de Seguros Privados), não há limite para o reajuste nesse mercado, mas os preços têm de estar claros no contrato entre a seguradora e o cliente.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Recebi este e-mail e achei interessante, pois é tão dificil ser honesto.

Vamos acabar com a "lei de gerson".

video

Seguro de vida não é herança


É importante sabermos algumas informações em caso de morte ou invalidez.


A melhor dica para o seguro vida é fazer conjugado com o Previdencia Privada, pois as taxas são as melhores do mercado.


Vejam a reportagem abaixo.


Nos dias atuais, é cada vez mais comum que as pessoas tenham seguro de vida. Com a estabilidade econômica do Brasil, o número de pessoas que aderiram a esse tipo de seguro aumentou consideravelmente.


Outro fator que influencia o crescimento desse seguro é o envelhecimento da população. As pessoas estão vivendo mais e, por isso, tendem a tomar providências que garantam conforto financeiro a seus entes mesmo após a morte. Justamente por se referir a um pagamento que é feito depois da morte do segurado é que muitas pessoas confundem o seguro de vida com herança. Entretanto, herança e seguro de vida são coisas completamente diferentes.

A herança é o direito dos herdeiros de ficar com o patrimônio que pertencia ao parente que morreu. Todos os bens e direitos da pessoa morta são transferidos aos herdeiros, que são seus filhos, a esposa ou companheira, seus pais e, na falta destes, os irmãos, sobrinhos, tios e primos.Se uma pessoa recebe herança, ela normalmente recebe os bens e as dívidas daquela pessoa. Já o seguro de vida é um contrato feito entre uma pessoa e uma companhia seguradora. Ali, o segurado se compromete a pagar valores periódicos (chamados de prêmio) e, em troca, a seguradora garante o pagamento de uma indenização a pessoas indicadas por ele na proposta de seguro. Essa indenização só é paga em caso de morte do segurado e quem é indicado para receber esse valor é chamado de beneficiário. O direito de receber uma indenização decorrente de seguro de vida não faz parte dos bens que compõem a herança do segurado, por expressa disposição do Código Civil brasileiro (artigo 794). Dessa forma, o seguro de vida pode ser deixado para outras pessoas que não os filhos, a esposa ou a companheira do segurado. Basta preencher a proposta de seguro indicando uma pessoa como beneficiária e ela passa a ter direito à indenização a ser paga pela seguradora, seja ela herdeira ou não. Além disso, mesmo se os beneficiários do seguro de vida forem os próprios herdeiros, eles não precisarão incluir o dinheiro recebido da seguradora no inventário.[2]Com isso, não haverá possibilidade de as dívidas deixadas pelo segurado impedirem o recebimento da indenização do seguro. E também não será preciso pagar o imposto sobre heranças (ITCMD), que no Estado de São Paulo equivale a 4% dos bens deixados. Então, a diferença entre herança e seguro de vida permite aos herdeiros economizar tributos e os isenta de ter de usar o valor recebido para pagar dívidas deixadas pelo segurado. E mais, permite ao segurado deixar um valor em dinheiro para alguém que não seja seu herdeiro. A lei garante esses direitos aos herdeiros e aos segurados, e é importante que eles saibam disso. Advogado, Professor do GVLAW a da Pós-Graduação em Direito da EPD e Ex-Procurador do municipio de Guarulhos

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Promotora de Michael Jackson contratou apólice de seguro de 'No show'


Quem vai arcar com os prejuizos dos cancelamentos dos shows de Michael Jackson ?

Neste caso do Michael Jackson tinha uma apólice de seguro e no Brasil existe este tipo de seguro ?

Existe sim, conhecidos por muitos como responsabilidade civil eventos e em alguns casos Multi-Risco Eventos e é de simples contratação.


Veja abaixo a reportagem.

A PROMOTORA de eventos do astro pop Michael Jackson, morto no último dia 25 de parada cardíaca, disse ter seguro de "No show" no Lloyd´s of London para garantir despesas caso a morte acidental do cantor, mesmo por overdose, fosse a causa da não realização da turnê prevista para iniciar neste mês em Londres, segundo noticiaram as agências internacionais.

Mesmo que venha a receber o seguro – tudo vai depender se a causa da morte estava incluída na cobertura - o valor segurado é inferior ao necessário para reembolsar os fãs que haviam comprado ingressos. Estimativas apontam para US$ 30 milhões em custos com o reembolso dos tíquetes oficiais, enquanto o seguro cobre despesas de até US$ 18 milhões.
A promotora AEG Live tem dito que muitos dos compradores querem manter os ingressos como lembrança, o que ajudaria a reduzir o prejuízo. A realização de concertos em homenagem ao ídolo pop e a venda de vídeos dos ensaios de Jackson para a turnê também ajudarão a AEG recompor sua receita financeira.

COMO CONSEGUIR MEDICAMENTOS GRATUITOS PELO SUS PARA O TRATAMENTO DO CÂNCER

Achei muito interessante essa reportagem e resolvi copiar para divulgar.

Os medicamentos para o tratamento do câncer são caros e nem sempre os pacientes têm condições de comprá-los. A advogada Antonieta Barbosa explica no livro "Câncer - Direito e Cidadania", como proceder e qual a documentação necessária para obter medicamentos gratuitos no Sistema Único de Saúde (SUS).

Para que o paciente obtenha esse direito são necessários os seguintes documentos:


- CPF (original e fotocópia). Quando se tratar de menor de 18 anos, os responsáveis deverão procurar qualquer posto de atendimentos da Receita Federal, para cadastramento de pessoa física, devendo apresentar Certidão de Nascimento e a receita médica (originais)


- Documento de identidade (original e fotocópia). Quando se tratar de menor de 18 anos, anexar a cópia da Certidão de Nascimento.


- Comprovante de residência (original e fotocópia)- Receita médica em 2 vias, com medicamento e posologia diária. A validade da receita será de até 30 dias, após emissão pelo médico responsável.


- SME - Solicitação de Medicamentos Excepcionais: A SME deverá ser emitida em 4 vias por computador, fotocópias ou carbonadas, desde que a assinatura e carimbo do médico assistente, sejam originais em todas as vias. A SME visa o planejamento de dose para 3 meses de atendimento. Especificar quando for tratamento por período inferior.


- Laudo clínico resumido emitido pelo médico assistente informando se foram tentados outros esquemas terapêuticos, especificando-os em caso positivo.


- Autorização a terceiros, efetuada pelo próprio paciente quando o mesmo, não puder receber pessoalmente o(s) medicamento(s) solicitado(s), sem necessidade de registro em cartório.


- Todos os documentos acima mencionados deverão entregues na Coordenação Estadual de Assistência Farmacêutica. Uma vez aprovados os documentos, o paciente ou seu representante será encaminhado por esta Coordenação a um dos Pólos de Medicamentos Excepcionais da Secretaria para retirada do(s) medicamento(s) pleiteado(s).


- Só estarão habilitados ao cadastramento, pacientes acompanhados clinicamente em Unidades de Saúde Públicas."Para quem não tem conhecimento, ter câncer acarreta um enorme choque de realidade e custa, além de muito sofrimento, muito dinheiro", diz Dra. Antonieta Barbosa em seu livro.


Livro: "Câncer - Direito e Cidadania" Editora: ARXAutora: Antonieta BarbosaInformações: www.antonietabarbosa.adv.br

terça-feira, 14 de julho de 2009

Corretor de Seguros

O Corretor de Seguros possui a importante tarefa de entender as necessidades dos clientes, encontrando o tipo de produto que represente um investimento correto para eles. Com isso, esse profissional é co-responsável nas intermediações em que atua, segundo a legislação brasileira. Diante das crescentes exigências do mercado aliadas ao rigor da lei, é preciso ter conhecimento jurídico sobre os negócios sob sua responsabilidade.

Bem vindos

Olá a todos internautas,

Neste blog irei colocar algumas notícias, dicas e orientações para todas as pessoas.

Abraços à todos.

Crystian Ferraz